Headlines

EDUCAÇÃO E SAÚDE

CÂMARA DE LIMOEIRO

CULTURA POLITICA E REGIÃO


Conheça Limoeiro

» » Reforma da Previdência - Danilo Cabral acredita que governo será derrotado no Plenário


Reforma da Previdência 

Danilo Cabral acredita que governo será derrotado no Plenário 

Depois da aprovação do relatório da Reforma da Previdência na comissão especial da Câmara dos Deputados, o deputado federal Danilo Cabral (PSB-PE) acredita que a vitória do governo será revertida no Plenário da Casa. “O governo ainda não tem os 308 votos necessários para aprovar o projeto. É preciso dar um ''calor' nos deputados favoráveis à proposta e nos indecisos. Só com a força da sociedade vamos derrotar a retirada dos direitos dos trabalhadores”, destacou o parlamentar, que acompanhou a votação da noite desta quinta-feira (3). O texto principal foi aprovado por 23 a 14 votos.


Concluída a análise dos destaques da matéria, o texto seguirá para o Plenário da Câmara. De acordo com Danilo Cabral, a expectativa é de que a votação ocorra em duas semanas. “Nesse período, o governo irá tentar convencer os deputados a aprovarem o texto, por isso, precisamos nos manter mobilizados”, afirmou. O deputado, desde que o projeto chegou à Casa no fim do ano passado, tem feito um enfrentamento contra a matéria. “Somos contra qualquer medida que fira as conquistas da classe trabalhadora”, frisou.


Danilo Cabral também ressaltou os votos dos deputados do PSB integrantes da comissão especial. Eles seguiram a orientação do partido, que fechou questão contra a Reforma da Previdência. “O governo tentou substituir os parlamentares, mas o PSB não permitiu e manteve sua posição”, comentou. Os deputados dos partidos da base governista contrários ao projeto que faziam parte do colegiado foram substituídos para que o Palácio do Planalto assegurasse os votos  para a aprovação do texto. “O governo mais uma vez usou o rolo compressor, ‘tratorando’ o debate, que deveria ter sido feito de forma ampla com a sociedade”, disse.  


Para Danilo Cabral, com a Reforma da Previdência, o governo Temer errou na forma e no mérito do projeto. “Defendeu um déficit que não existe, podou o diálogo na Câmara e com a sociedade e jogou as contas nas costas dos trabalhadores”, criticou. Ele acrescentou que falta ao texto, por exemplo, a discussão sobre a cobrança de dívidas e de medidas mais rígidas para inibir os devedores. 

Foto: Chico Ferreira

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga