Headlines

EDUCAÇÃO E SAÚDE

CÂMARA DE LIMOEIRO

CULTURA POLITICA E REGIÃO


Conheça Limoeiro

» » Ex-prefeito de Uberlândia Gilmar Machado é preso em operação da Polícia Federal

Operação 'Encilhamento' ocorreu nesta quinta (12) em vários estados. Polícia apura fraudes envolvendo aplicações de institutos previdenciários municipais.




Por Caroline Aleixo, G1 Triângulo Mineiro

Ex-prefeito de Uberlândia Gilmar Machado é preso em operação da Polícia Federal

O ex-prefeito de Uberlândia Gilmar Machado (PT) foi preso nesta quinta-feira (12) durante a Operação “Encilhamento” da Polícia Federal (PF). De acordo com a PF, são apuradas irregularidades envolvendo a aplicação de recursos de institutos previdenciários em fundos de investimento.

Na cidade, além do ex-prefeito, foram cumpridos mandados de prisão temporária contra o ex-superintendente do Instituto de Previdência Municipal de Uberlândia (Ipremu), Marcos Botelho, e dois ex-integrantes do Comitê de Investimento do instituto, Cláudio Roberto Barbosa e Mônica Silva Resende de Andrade. Os quatro serão indiciados por fraude do mercado financeiro, lavagem de dinheiro e fraude à licitação.

 (Foto: Bárbara Almeida/G1)

Conforme apurado pelo G1, essa é a primeira vez que um ex-chefe do Executivo é preso na cidade. Por meio de nota, a defesa de Gilmar Machado informou que o ex-prefeito está tranquilo, pois não tem nenhum envolvimento com os supostos atos ilícitos praticados por terceiros dos quais ele não tem conhecimento. O texto diz ainda que o ex-prefeito tem total convicção de que é vítima de injustiça e perseguição política.


A defesa reforçou, também, que o ex-prefeito sempre esteve e continua à disposição da Justiça e aguarda tomar conhecimento do inquérito para melhor contribuir prestando os esclarecimentos devidos. A reportagem não conseguiu localizar a defesa dos outros investigados.


Operação em 7 estados

As investigações, que contaram com o apoio da Secretaria de Previdência (SPREV), levam em consideração desvios bilionários que acarretaram dano ao erário em diversos municípios. Em Uberlândia foram cumpridos quatro mandados de prisão temporária e cinco de busca e apreensão, sendo um deles na sede do Ipremu.

Os fundos de investimento alvos da operação estão localizados em São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraná, Mato Grosso, Santa Catarina e Goiás. Especificamente em Minas, também houve cumprimento de mandados nas cidades de Pouso Alegre, Betim e Santa Luzia.

Investigação em Uberlândia

No 2º semestre de 2016, já havia sido constatada a existência de R$ 827 milhões em apenas oito destes fundos cujos recursos seriam destinados ao pagamento da aposentadoria de servidores municipais.

 
Mandado de busca e apreensão é cumprido na sede do Ipremu em Uberlânda 

(Foto: Flávio Henrique/G1) Mandado de busca e apreensão é cumprido na sede do Ipremu em Uberlânda (Foto: Flávio Henrique/G1)

Segundo o delegado-chefe da PF de Uberlândia, Carlos Henrique Cotta D'Ângelo, um inquérito chegou a ser instaurado pela delegacia em 2013, por se tratar de crime financeiro, mas nada foi constatado. Já em 2017, novas informações chegaram ao conhecimento da polícia de que o instituto estava realmente investindo nos chamados títulos podres (fundos sem liquidez).

"Conseguimos identificar que os títulos não apresentavam valor nenhum. Era como se o instituto tivesse comprado só papel. Por enquanto as prisões desses agentes diretamente ligados ao instituto ocorrem aqui porque Uberlândia, de certa maneira, iniciou essas investigações e tem o caso praticamente concluído em termos probatórios", explicou.


Delegado-chefe da PF de Uberlândia, Carlos Henrique D'Ângelo, concedeu entrevista coletiva sobre o assunto  (Foto: Caroline Aleixo/G1)

Fraude e dano ao erário

A PF identificou, até o momento, um prejuízo aproximado de pelo menos R$ 300 milhões aos cofres do Ipremu. D'Ângelo contou que o instituto mantinha cerca de 98% dos investimentos em bancos oficiais. Mas durante a gestão do ex-prefeito, uma nova consultoria foi contratada e passou-se a investir em títulos emitidos sem valor real.

Ainda de acordo com o delegado, a consultoria está ligada a um grupo do mercado financeiro de São Paulo e foi contratada de forma ilícita, configurando crime de fraude à licitação. Os consultores indicavam ao Ipremu a retirada do dinheiro dos fundos oficiais para realocá-lo na compra de títulos podres.

Os servidores do instituto que foram contrários ao procedimento na época dos fatos foram exonerados pelo então prefeito e uma nova comissão foi formada para a gestão do instituto previdenciário. Em 2016, aproximadamente 50% dos investimentos passaram a ser em títulos podres.

"Lamentavelmente quem ficou com o prejuízo foi o servidor que contribuiu para a previdência, acreditando que faria jus a uma remuneração justa depois da sua aposentadoria. Daremos todas as informações e apoio para o instituto para que tente reaver alguns desses valores, mas é bastante complexo porque o dinheiro está pulverizado no mercado financeiro", finalizou o delegado.

A polícia agora vai investigar se houve vantagem indevida aos investigados na operação e se há outros envolvidos no esquema.

Prisão



Presos saindo da Polícia Federal  (Foto: Fernanda Vieira/G1) Presos saindo da Polícia Federal  (Foto: Fernanda Vieira/G1)


As prisões temporárias na cidade foram concedidas pela 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo, cuja comarca concentra a apuração das ações envolvendo suspeitos do mercado finaceiro.

Os presos serão levados para o Presídio Professor Jacy de Assis, mas antes, por volta das 13h30 eles passarão por exames de praxe na Polícia Federal.

Em seguida, a PF local tem até 30 dias para concluir o inquérito e remeter para a vara especializada em crimes financeiros, em Belo Horizonte. Também serão enviadas cópias ao Ministério Público Federal (MPF) e à Promotoria de Justiça de Uberlândia.

Irregularidades no Ipremu

O instituto de Uberlândia já foi alvo de outras investigações do Ministério Público Estadual (MPE) e da Câmara Municipal, que instaurou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) em 2017. As informações coletadas pela CPI também contribuíram para o inquérito da PF.


Marcos Botelho, ex-superintendente do Ipremu, foi ouvido durante CPI na Câmara de Uberlândia (Foto: Valéria Almeida/G1)

A apuração dos vereadores concluiu que houve ilegalidade em diversos investimentos feitos em fundos considerados de alto risco. Do total das aplicações efetuadas, cerca de R$ 348,6 milhões estavam alocados em mais de 20 fundos de investimento e, desses, já houve perda total ou parcial dos recursos.

Gilmar Machado e o ex-secretário de Finanças do Município, Carlos Diniz, já respondem a um processo de improbidade administrativa devido aos problemas envolvendo o Ipremu.

Ex-prefeito de Uberlândia, Gilmar Machado vai à Câmara falar sobre CPI do Ipremu

Gilmar Machado

O petista Gilmar Machado foi prefeito de Uberlândia pela primeira vez para o pleito de 2013 a 2016. Nas eleições de 2012, o político garantiu 68,72% dos votos. Já em 2016, ele tentou ser reeleito, mas ficou em terceiro lugar, vindo a perder para o atual chefe do Executivo, Odelmo Leão (PP), e para um concorrente novato, Alexandre Andrade. Gilmar obteve apenas 10,28% dos votos.

Antes de disputar vaga para o Executivo, o político foi eleito deputado estadual por duas vezes (1991 a 1994 / 1995 a 1998) e deputado federal por quatro mandatos entre os anos de 1999 e 2015.


Fonte:G1 Triângulo Mineiro

Leia Mais: https://g1.globo.com/mg/triangulo-mineiro/noticia/ex-prefeito-de-uberlandia-gilmar-machado-e-preso-em-operacao-da-policia-federal.ghtml

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply